Açores: Mecânica tramou Luís Rego Jr. no Faial

Luís Rego Jr. desistiu, mas deixou grandes indicações. Voltou a dar mostras da continuidade da sua evolução enquanto piloto, discutiu a vitória até ao momento do abandono, ganhou troços e rodou ao mesmo nível ou foi mesmo mais rápido que os melhores registos de anos anteriores. 

Este não foi o final que tínhamos idealizado para este Ilha Azul mas, ainda assim, há muitos pontos positivos que devemos tirar deste nosso regresso ao Faial”, assim começa Luís Rego Jr. a sua análise a uma das provas mais interessantes dos últimos anos no Campeonato dos Açores de Ralis. Na verdade, Rego Jr. e o seu navegador, Jorge Henriques, entraram a voar na super especial da Praia do Almoxarife para amealhar logo ali uma vantagem de quase quatro segundos para os seus mais diretos opositores.

A vantagem dilatou-se na segunda especial do rali, primeira do dia de sábado, apesar de a Rego Jr. caber a ingrata missão de “varrer a estrada”, fruto da sua posição na ordem de partida. Na primeira ronde pelos troços matinais as forças acabaram por se equilibrar mas uma menor eficácia dos pneus na parte final da manhã ditou que Luís Rego Jr. regressasse à assistência na segunda posição. “Este está a ser um rali muito competitivo e estamos na luta. À tarde vamos continuar a atacar para tentar ganhar o rali” afirmava, confiante, Luís Rego antes de regressar à estrada. 

Apesar de terem apanhado muito nevoeiro na especial Jaime Melo / Ribeira do Cabo e de aí terem perdido algum tempo, Luís Rego Jr. e Jorge Henriques continuaram a forçar o andamento e ganharam o troço seguinte. “Este rali está a ser discutido a um ritmo muito elevado mas nós não vamos abrandar. Está a ser uma grande luta e o espetáculo deve ser grande para o público” referia Luís Miguel Rego. O piloto do Team Além Mar tinha razão quanto ao ritmo imposto na frente do rali. Se para quem seguia a prova na estrada a velocidade a que se andava era uma evidência, uma análise comparativa dos tempos com a edição do ano passado, disputada em melhores condições meteorológicas, não deixava margem para dúvidas. Apenas nos troços em que este ano apareceu nevoeiro se andou mais devagar…

Quando Rego e Henriques se encontravam ao ataque e a ganhar tempo no penúltimo troço do rali, Largo Jaime Melo / Ribeira do Cabo 2, a cedência da polie da cambota que faz trabalhar a correia da bomba de água do Ford Fiesta R5 obrigou à desistência. “Foi um balde água fria porque terminar assim uma prova tão arduamente disputada custa um bocadinho” confessava o piloto do Team Além Mar que logo recentrou o seu discurso no futuro. “Já estamos focados no regresso a Santa Maria onde queremos repetir a vitória do ano passado. Sabíamos que teríamos sempre de deitar fora uma pontuação pelo que, apesar de termos perdido a liderança no campeonato, a situação em que nos encontramos é sensivelmente a mesma da dos nossos adversários que também já desistiram uma vez. Vai ser um campeonato muito disputado até ao fim”, vaticinou Luís Rego Jr. que terminou agradecendo o “trabalho fantástico de toda a equipa e o apoio dos patrocinadores e do muito público que puxou por nós ao longo de toda esta semana”.

Foto: Team Além Mar
Share on Google Plus

MaisRalis

Envie suas noticias para maisralis.madeira@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário