Rali da Calheta: André Roque "Não nos facilitaram a ultrapassagem"

Um acontecimento que no mínima podemos considerar de caricata. Aconteceu no Rali da Calheta, logo pela manhã, quando os pilotos andaram literalmente em contra-relógio para chegar a tempo de se deslocarem do final de uma classificativa para outra, ou neste caso, sair do parque de assistências para a primeira PEC. O acidente entre André Roque e Luís Serrado, ocorreu quando ao se cruzarem no troço de ligação, embateram de frente, pois o piloto do Peugeot 306 ao ultrapassar um lote de carros que percorriam a via pública, ao qual os mesmos facilitaram a passagem do piloto, eis que um condutor decidiu em última estância acelerar e não facilitar passagem a André Roque, o que nesse instante acontece o choque entre as duas viaturas de competição. Segundo relato de André Roque ao MaisRalis.com, explica como tudo se passou:

"Nós tinhamos 10 minutos para chegar do parque de assistências até à partida da primeira PEC do dia, mas dentro desses 10 minutos, ainda tinhamos de deitar combustível e depois à saida do parque de assistências já só tinhamos 7 minutos para chegar à partida da classificativa da Calheta. Depois durante o troço de ligação ainda tinhamos de fazer o cruzamento da estrada do Paúl onde era um ponto com algum perigo, visto o trânsito no dia de prova circular muitos mais carros. Para conseguir mudar de estrada foi difícil mas acabamos lá por conseguir. Vários carros acabaram por parar para podermos passar, mas um último carro trava e encosta ligeiramente, no nosso entender a facilitar a passagem, mas quando estávamos a ultrapassar, esse mesmo carro acabou por acelerar e continuar sempre do nosso lado, não facilitando a nossa passagem, foi nesse instante que nos deparamos com o Luís Serrado de frente, e não conseguimos evitar o embate. Não quero julgar ninguém e nem quero dizer que a culpa é dos outros, mas para o bem deste desporto tão bonito, quero que o meu acidente sirva de exemplo para o futuro. Na minha opinião e de muitos outros pilotos, os tempos de ligação eram muito reduzidos, e no nosso caso, 10 minutos para sair do parque de assistências, abastecer e percorrer o troço de ligação, deixou-nos super pressionados."  

Posto isto, agora é tempo de avaliar os danos materiais, sendo que no caso da máquina de André Roque é recuperável rapidamente, sendo nesta altura, difícil de avaliar qual o prejuízo no Renault Clio R3T de Luís Serrado, estando ambos os pilotos em conversações para a resolução dos danos na viatura francesa.

Share on Google Plus

MaisRalis

Envie suas noticias para maisralis.madeira@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário